Relações Socioambientais: Ocupação, uso e degradação na territorialidade da APA da Fazendinha (Amapá-Amazônia – 1974 a 2010)

Autor

FERREIRA, Glauciela Sobrinho Cunha Pantoja

Descrição

A configuração do espaço amazônico é resultado histórico das Relações Socioambientais que nele se consolidaram. Como relações de poder (social, político,
econômico, cultural e físico-natural) as Relações Socioambientais, complexa rede de
interdependências próprias da sociedade/natureza, representam um campo de
forças onde atores, sujeitos, gestão e demandas convergem e divergem produzindo
o que pode ser denominado de sociedade de risco. Nesta, a ação do pode
determina tanto a territorialização, quanto o desenvolvimento socioeconômico da
região. Tais circunstâncias, vistas APA da Fazendinha (Macapá/Amapá) esboçam
um mosaico conflitante, em que, a degradação é como um sistema orgânico,
dinâmico e retroativo, que dá múltiplos significados à pressão urbana e à ocupação
desordenada ao mesmo tempo em que sufoca o predicado do uso sustentável. Nela,
as relações/demandas socioambientais apresentam forma e conteúdo diversos,
explicam-se pela lógica do espaço em disputa, derivado de um campo de forças em
que distorções de caráter socioeconômico, político e cultural (tais como a falta de
política habitacional; a incipiência de renda familiar; a negligência de saneamento
urbano e outros) caracterizam a territorialidade da área. As estratégias habitacionais,
isto é, as invasões e edificações de palafitas insalubres, tanto quanto, o modo de
vida da população instalada, representam um grave dano/impacto denotativo da
pressão antrópica, em que, a comunidade e o ecossistema são penalizados por
processos de degradação humana e ambiental. Atrelado ao movimento de
ocupação/pressão urbana e antropismo, a ingerência da gestão institucional constitui
fator de sério comprometimento da viabilidade e da sustentabilidade da Unidade de
Conservação, pois, a inexistência do monitoramento e da inibição sistemática das
invasões/ocupações constantes, assim como, da especulação imobiliária,
condicionam-na a uma dinâmica de ‘bairro’, no qual a geração de demandas
urbanas são incompatíveis com as prerrogativas de uma Área de Proteção
Ambiental. A degradação socioambiental na APA da Fazendinha está materializada
por eventos de natureza quantitativa e qualitativa, uma vez que, associado ao
crescimento populacional constante, evidenciam-se múltiplas situações de
deposição de resíduos sólidos; vegetais; animais; e dejetos humanos no entorno das
residências e para dentro do Rio Amazonas, do Igarapé da Fortaleza e Igarapé do
Paxicu, com os quais a APA tem limites de demarcação. Além disto, visualiza-se
uma condição de insalubridade humana absurda nas ocupações e no modo de vida
da população que tem reversão direta na falta de qualidade de vida, tanto do meio,
quanto dos sujeitos que nele interagem. Trata-se aqui de um estudo explicativodescritivo
em que a produção e tratamento das fontes foram norteados por uma
abordagem de caráter quanti-qualitativa, considerando-se os fundamentos da
História Ambiental. Seu objetivo é explicar a influência das relações socioambientais
(ocupação/uso/degradação) na territorialidade da APA da Fazendinha no conjunto
de sua forma/conteúdo contemporâneo (1974 a 2010). Destacam-se
Territorialização, Desenvolvimento e Área Especialmente Protegida, como
categorias de análise.
The configuration of the amazon space is resulted report of the Relationships
Socioenvironmental that consolidated in him. The relationships of power (social,
political, economical, cultural and physical-natural) the Relationships
Socioenvironmental, complex net of own interdependences of the society/nature,
they represent a field of forces where actors, subjects, administration and demands
converge and they diverge producing what can be denominated of risk society. In
this, the action of the it can it determines the territorialization so much, the
development socioeconomic of the area. Such circumstances, views APA of the
Fazendinha (Macapá/Amapá) they sketch mosaic conflicting, in that, the degradation
is system organic, dynamic and retroactive, that gives multiples meanings to the
urban pressure and the occupation disordered at the same time in that suffocates the
predicate of the maintainable use. In her, the relationships/demands
socioenvironmental present form and several content, they are explained by the logic
of the space in dispute, derived of field of forces in that distortions of character
socioeconomic, political and cultural (such as the lack of habitational politics; the
incipience of family income; the negligence of urban and other sanitation) they
characterize the territoriality of the area. The habitational strategies, that is, the
invasions and constructions of unhealthy stiltses, so much, the way of life of the
installed population, they represent serious damage/impact denotative of the
pressure anthropogenic, in that, the community and the ecosystem are punished by
processes of human and environmental degradation. Harnessed to the movement of
urban occupation/pressure and anthropism, the mismanagement of the institutional
administration constitutes factor of serious compromising of the viability and of the
sustainability of the Unit of Conservation, because, the inexistence of the monitoring
and of the systematic inhibition of the constant invasions/occupations, well, of the
real estate speculation, they condition it to dynamics of 'neighborhood', in which the
generation of urban demands is incompatible with the prerogatives of an Area of
Environmental Protection. The degradation socioenvironmental in APA of the
Fazendinha is materialized by events of quantitative and qualitative nature, once,
associated to the constant population growth, multiple situations of deposition of solid
residues are evidenced; vegetables; animals; and human dejections in I spill it of the
residences and inside of Rio Amazonas, of Igarapé of Fortaleza and Igarapé of
Paxicu, with which APA has demarcation limits. Besides, condition of absurd human
unsoundness is visualized in the occupations and in the way of life of the population
that has direct reversion in the lack of life quality, so much of the middle, of the
subjects that interact in him. It is treated here of an explanatory-descriptive study in
that the production and treatment of the sources were orientated by quanti-qualitative
character approach, being considered the foundations of the Environmental History.
Your objective is to explain the influence of the relationships socioenvironmental
(occupation/use/degradation) in the territoriality of APA of the Fazendinha in the
group of your contemporary form/content (1974 to 2010). They Especially Stand out
Territorialization, Development and Area Protected, analysis categories.

Identificador

http://www2.unifap.br/ppgmdr/files/2011/07/Glauciela-Sobrinho-Cunha-Pantoja-Ferreira1.pdf

Assunto

Relações Socioambientais
Territorialização
Ocupação/Uso/Degradação
Desenvolvimento
Área Especialmente Protegida
Relationships Socioenvironmental
Territorialization
Occupation/Use/Degradation
Development
Area Especially Protected

Editor

Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)

Fonte

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional (UNIFAP)

Colaborador

AVELAR, Valter Gama de

Data

2011

Tipo

Dissertação

Idioma

POR

Formato

Application/PDF

Abrangência

BRA1600303

Direitos

Acesso aberto

Tópico temporal

1974 a 2010

Tópico Espacial

Brasil, Amapá, Macapá

Local de Publicação IBGE

BRA1600303

Local de Publicação

Brasil, Amapá, Macapá

Referência

FERREIRA, Glauciela Sobrinho Cunha Pantoja , “Relações Socioambientais: Ocupação, uso e degradação na territorialidade da APA da Fazendinha (Amapá-Amazônia – 1974 a 2010),” Portal de Acesso Aberto das Universidades Brasileiras Sobre Limites e Fronteiras, acesso em 19 de janeiro de 2022, http://unbral.nuvem.ufrgs.br/portal/items/show/1171.
teste